Chegar “em cima da hora” no aeroporto e ser impedido de embarcar é um dos principais motivos que levam os passageiros à Justiça em busca de reparação pelos danos sofridos. No entanto, tanto a primeira quanto a segunda instâncias da Justiça têm entendido que pedidos de consumidores que reclamam indenização pela perda do voo nesses casos são improcedentes.