Comarca forma mediadores para atuarem como voluntários em Mato Grosso

Fonte: CNJ – http://www.cnj.jus.br/fs7j

A Comarca de Peixoto de Azevedo (MT), localizada a 691km ao norte de Cuiabá, capacitou 29 novos conciliadores e mediadores para atuar como voluntários no Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc). O grupo de novos colaboradores é formado por servidores e estagiários do Poder Judiciário e universitários. A turma já passou pelo Curso de Capacitação em Técnicas de Mediação Judicial na semana passada e, agora, irá fazer estágio supervisionado para obter o certificado.

O curso foi realizado de 24 a 28 de agosto, nas dependências do fórum. A capacitação aliou teoria e prática. Teve duração de 40 horas com palestras, dinâmica de grupo, vídeos, exibição de slides e sessões fictícias de mediação. As aulas foram ministradas pelos instrutores Marcela Oliveira Cavalcanti de Ávila, Romeu Ribeiro Primo e Sebastião José de Queiroz Junior.

No estágio, os novos conciliadores colocarão em prática tudo o que aprenderam no curso. Para isso, terão de participar de pelo menos mais 12 sessões reais. Deste total, quatro devem ser de conciliação, seis de mediação e duas supervisionadas.

Segundo o gestor judiciário do Cejusc de Peixoto, José Claret de Almeida Marques, este é o segundo curso com esta temática realizado na comarca. O primeiro formou oito conciliadores/mediadores, este segundo teve mais de 50 interessados, mas formou 29 devido à necessidade de restrição no número de vagas para melhor aproveitamento da turma.

Os cursos de conciliação e mediação atraem bastante interesse dos estudantes de Direito da faculdade de Colíder, cidade próxima a Peixoto, porque o assunto é cobrado em sala de aula e consta da grade curricular. Apesar da grande procura por parte desse tipo de público, não é necessário ser universitário do curso de direito para ser um conciliador ou mediador.

Acordos – O Centro Judiciário de Solução e Mediação de Conflitos (Cejusc) da Comarca de Peixoto de Azevedo foi instalado em dezembro de 2013 e negociou mais de R$ 9,4 milhões em acordos somente no primeiro ano de funcionamento. Neste segundo ano, de janeiro a agosto, a soma dos valores dos acordos ultrapassou R$ 11 milhões.

A demanda no centro é grande, pois são realizadas de quatro a cinco sessões por dia. As principais procuras são por acordos referentes a divórcio, pensão alimentícia, reconhecimento de paternidade e negociação de dívidas. Os atendimentos são realizados das 9h às 18h. Os primeiros atendimentos são realizados por um servidor e dois estagiários. Seis conciliadores/mediadores trabalham na condução das sessões.

Link curto: http://bit.ly/1NZrbW8

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *